22.1.09

há teus pés

fazer de praias
os campos por onde quero deitar-me
e, então, verdejar

do branco arenoso que sustenta
o blues do oceano
quero somente um brilho
que enriqueça meu leito natural,
um tapete-grama para me estirar contigo

da paisagem de sol escaldante, mar fresco e chão movediço,
seguir aos vales, cerrados e rios
que não existem no litoral
pode ser o meu destino

acompanhado - que seja - o meu desfrute,
pois, à nossa altura,
há horizontes em devir,
há ruas a caminhar,
há peles inflamáveis
- as peles nossas

guardo, em quase segredo,
as coisas boas que tivemos
para, num próximo encontro,
poder poetizar a minha saudade
no íntimo dos ouvidos teus

sou um advérbio solitário
que busca a palavra certa,
o verbo ideal,
para dizer "sim, aceito"

hoje, confesso não estar a teus pés,
mas agradeço porque há teus pés
para te ver dançar aquele samba

3 comentários:

Byron and Shelley disse...

...guardo, em quase segredo,
as coisas boas que tivemos
para, num próximo encontro,
poder poetizar a minha saudade
no íntimo dos ouvidos teus...

O sr. lê meus pensamentos!!

Byron and Shelley disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ziza disse...

só pra dizer que "sim,aceito"