2.5.07

coração cativo

um batuque brando vicioso
que escutei com serena atenção

com a atenção de um médico com estetoscópio
ou um adolescente que desfilava um i-pod

meu coração gritava num ronronar de gato
um felino astuto fingindo ser cão

meu peito é um cativeiro:
para um vendaval naval, navio
para seus vícios, para este ano,
para aquele Bateau Mouche

para um naufrágio,
um infarto

feliz daquele que tem um coração presente
porque o meu agora é fuga

- deixa seus resquícios e litros de sangue morno

5 comentários:

Marlon Marcos disse...

Essa mágica do MAR é o maior que há em mim, ou o melhor,não sei ! E essa vista da minha casa, heim? A minha baía...Lindo , mais que lindo o seu poema:enfartei de memórias.

Marlon Marcos disse...

Essa mágica do MAR é o maior que há em mim, ou o melhor,não sei ! E essa vista da minha casa, heim? A minha baía...Lindo , mais que lindo o seu poema:enfartei de memórias.

Anónimo disse...

O que vem primeiro? A palavra ou o silêncio?

Anónimo disse...

quando precisar de seus carinhos,
quando precisar que junte meus restos e os entenda,

estará lá?


. . .


serei silêncio. silêncios apenas.
as palavras que importam já foram ditas.

antes da fuga.

paula disse...

vi um artigo teu no cidade sustentavel, a respeito das bolsas feitas com lacre de latinha. Gostaria de entrar em contato com a sra. Antonia pra comprar bolsas Sera q vc pode me passar? desde ja obrigada. Meu mail eh: paulecak@hotmail.com